2 fatores cruciais que fazem com que 95% das dietas falhem!

4
2 fatores cruciais que fazem com que 95% das dietas falhem!
4 4 votos

Há inúmeros tipos de dietas sendo divulgadas na mídia para todos os gostos e necessidades. Porém, nem todas as promessas destes métodos condizem com a realidade.

A maioria das pessoas que inicia um programa de dieta acaba desistindo ou realiza o programa até o fim e, depois, engorda novamente – É o famoso “efeito sanfona”, não é mesmo?

Fato é que 51% dos brasileiros estão acima do peso padrão para sua idade e condição corporal (dados do Ministério da Saúde, 2013).

Se fosse tão fácil assim seguir qualquer dieta e perder peso de maneira duradoura, este índice não seria tão alto concorda?

Existem alguns mitos sobre dietas que atrapalham aqueles que desejam perder peso.

As pessoas acabam seguindo algumas orientações que não têm sentido ou, mesmo sendo verdadeiras, não são tão eficazes para a perda de peso.

Vamos explicar abaixo dois pontos cruciais sobre regimes. A distorção destes dois fatores é o principal motivo pelo qual tantas dietas não dão certo.

Veja porque:

 

Para perder peso não adianta apenas contar calorias

A perda de peso pode se resumir em consumir menos calorias do que gastamos? Claro que isto ajuda, mas não é o único fator a ser considerado na perda de peso.

Em primeiro lugar, se você resolver limitar suas calorias diárias e continuar gastando a mesma quantidade de energia, certamente perderá peso por alguns dias, mas este efeito não será permanente, conforme explicaremos no próximo tópico.

Outro motivo pelo qual a simples diminuição de calorias não é o método mais eficaz para emagrecer é que há combinações de alimentos que promovem vários tipos de reações em seu organismo como: Aumento do ritmo de queima de gordura, eliminação de toxinas etc.

A qualidade dos alimentos que você consome é altamente impactante na maneira como seu corpo vai responder a um programa de emagrecimento.

Além disso, um estudo publicado em 1994 pela Laval University (Ste-Foy, Quebec, Canadá), descobriu que jovens que seguiram um programa de treinamento intervalado de alta intensidade durante 15 semanas perderam muito mais gordura corporal do que aqueles que realizaram um programa de 20 semanas de exercícios constantes.

O que é mais surpreendente neste estudo é que esse resultado foi obtido apesar de o programa de exercícios constantes ter queimado cerca de 15.000 calorias a mais do que o treinamento HIIT!

Esse é só apenas um dos vários estudos científicos que vem comprovando que o gasto calórico não é tão importante quanto se pensava!

Mais heim?

Veja o porque desta conclusão:

 

Fazer dietas altamente restritivas vai fazer com que seu corpo “pense de maneira mais gorda”

O que isso significa?

Saiba que, quando você resolve comer pouca quantidade de alimentos para se manter durante o dia, causando uma quebra brusca nos seus hábitos de alimentação, seu corpo poderá reagir de forma contrária à esperada.

Vamos supor que você comece aquele regime na segunda-feira (afinal, este é o dia oficial do início das dietas) e passe a semana comendo poucas quantidades dos mesmos alimentos que você consumia antes.

O resultado é que, nesta primeira semana, você provavelmente vai perder peso.

Animado com os resultados, você resolve continuar com o mesmo método. Porém, após alguns dias, você percebe que seu corpo não está mais reagindo como antes.

A perda de peso até continua ocorrendo, entretanto, bem mais lentamente do que antes.

E agora? Comendo pouco e sem emagrecer, só lhe resta voltar a comer normalmente e ser feliz! E, claro, engordar novamente.

A situação descrita é muito comum. E, onde está o erro? Voltando ao primeiro tópico, o erro está em pensar que a simples contagem de calorias vai resolver o problema.

Além disso, saiba que o efeito que faz o corpo “segurar” a perda de peso é um mecanismo de defesa contra a desnutrição.

O corpo humano ainda possui o mesmo mecanismo de funcionamento dos nossos antepassados das cavernas.

Nossos ancestrais, os homens pré-históricos e selvagens, precisavam caçar seu alimento. A comida não era abundante e o organismo, ao perceber uma possível escassez de alimentos, “segurava” o gasto calórico e a queima de gordura (pois a gordura corporal é o armazenamento da energia que sobrou dos alimentos e serve para a manutenção do corpo nos períodos de fome).

Por isso, quando passamos pelo “período de fome”, que seria a dieta de restrição de calorias, nosso corpo diz: “Opa! Está faltando comida aqui!” –  E ele segura a queima de energia, ocasionando a lentidão ou até parada na perda de peso.

Qual o caminho para emagrecer?

O caminho para emagrecer, portanto, é saber que alimentar-se com qualidade não é igual a alimentar-se pouco. Também não é alimentar-se muito, sem dúvida. É alimentar-se com o que é necessário a seu corpo e combinar os hábitos alimentares com exercícios focados em sua necessidade.

Saiba combinar os alimentos com qualidade e, sem passar fome, você emagrecerá mais do que com dietas de restrição de calorias.

O mecanismo hormonal que impede você de sair do ciclo vicioso de acúmulo de gordura é muito complexo… Mas, não se preocupe! Continue acompanhando nosso site que nos próximos posts iremos detalhar mais esse mecanismo!

você pode gostar também Mais do autor

4 Comentários

  1. sueli Diz

    Eu tento fazer mais não consigo. Me ajude por favor.

  2. Jucelene Diz

    Eu sempre começo e nunca termino. Será que adianta mesmo eu não tendo força de vontade. Isso é muito difícil pra mim. Me ajuda

  3. Hiit Brasil Diz

    Obrigado por nos acompanhar!

  4. Mariana Alves Diz

    Conhecei o blog agora e me apaixonei, adooro! já coloquei nos favoritos, bjss

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.